TIREÓIDE SOB CONTROLE

ATEROSCLEROSE DEVE SER PREVENIDA

9 de maio de 2012

X SÍNDROME, DEPOIS, SÍNDROME PLURIMETABÓLICA, E AGORA, SÍNDROME METABÓLICA-NÃO É BIOTERRORISMO,

MAS É UMA PANDEMIA! ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA.

Tudo começou com as observações do Dr.G.Heaven-Stanford University – Califórnia 1987, ao perceber uma estranha coincidência preocupante com um grupo de pacientes, que apresentavam obesidade abdominal (visceral) ou obesidade geral, associada, a problemas com alterações de lipídios, colesterol, e suas frações, triglicérides, diabetes não necessariamente dependentes de insulina (tipo 2) e hipertensão arterial, geralmente com doenças cardíacas, isto tudo no final da
década de 80 e inicio de 90. Nesta época nosso grupo possuía mais de 15 anos de formados, com quase todos os títulos científicos possíveis no Brasil e com diversos títulos e estudos internacionais e o grupo achavam no mínimo exóticos a falta de preocupação com a qualidade de vida dada aos pacientes comprometidos com tais doenças mesmo que até então como moléstias reconhecidas pela OMS separadamente, algumas delas como as obesidades, um grande numero  de nossos colegas aventavam a possibilidade de ser  puro desleixo de seus portadores, ou desvios de condutas; ledo engano, pois quem participava das reuniões internacionais, já percebia algo de errado com as interpretações até então vigentes. Com o decorrer de cada ano, fomos visualizando o imenso monstro que se preparava para assolar países ricos e pobres, indistintamente e de forma assustadora, pois se aninhava atrás de um nomezinho bem despretensioso “SINDROME METABÓLICA”. Quando nos demos conta do problema, percebemos que era a ponta de um imenso Iceberg, que destruía as pessoas muitas vezes de forma irreversível. Não existe nenhuma duvida que temos que tomar uma serie de atitudes preventivas já, a começar por cuidados com exercícios fiscos adequados, alimentação e tudo mais que todos estão cansados de saber; o acumulo de gordura abdominal está sabidamente associado a maior prevalência de desarranjos metabólicos, hormonais, inflamatórios, no aparecimento de problemas microvasculares e impacto negativo sobre os órgãos-alvo, particularmente sobre o eixo cardio-renal;sabemos também que a determinação genética da gordura visceral influencia, além dos possíveis distúrbios neuroendócrinos e metabólicos, possam condicionar a deposição de tais gorduras. Assim, as influencias ambientais, endócrinas e genéticas virão facilitar em sua forma mais diversificada toda a expressão da síndrome metabólica, através do impacto no peso, especialmente da gordura visceral, sobre as demais doenças, incluindo a resistência periférica a insulina. Mas, no
meio desta desordem orgânica estabelecida, muitos cientistas além de preocupados tomam atitudes encorajadoras, então vejamos: recentemente foi lançado no mercado Europeu um medicamento revolucionário para síndrome metabólica,  usando receptores (captadores específicos de substancias), até então não utilizados ou seja : CB1 para síndrome metabólica, DPP-4 de ação especifica nas células beta pancreática, e outros hormônios como o glucagon, neste segmento são diversas novidades, além de associações com outras substancias já utilizadas.Gostaria de passagem apenas registrar que não somos contra a cirurgia bariátrica (cirurgia para diminuição do estomago), entretanto é uma situação extrema, sem volta na maioria dos casos, com um índice de riscos importantes de efeitos secundários, mas que em casos extremos "restam poucas alternativas", além de  estar em um patamar não muito claro à longo prazo, principalmente com a evolução terapêutica  medicamentosa ter novidade quase todos os dias.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologista – Neuroendocrinologia
CRM. 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM. 28930


Como Saber Mais: 
1.Mulher na menopausa está mais propensa a desenvolver diabetes mellitus tipo2...
http://climateriocontrolado.blogspot.com/ 

2.A mulher obesa pode desencadear mais facilmente hipertensão, com isto ela fica mais suscetível a desenvolver depressão e a síndrome metabólica... 
http://climateriocontrolado.blogspot.com/ 

3.A Síndrome Metabólica traz graves consequências, pela sua complexidade na disfunção metabólica coadjuvante...
http://controlandomenopausaeclimaterio.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA.

Referências Bibliográficas: 
· Archives of Internal Medicine 
. National Institutes of Health and the National Alliance for Research on Schizophrenia and Depression. 
· Medscape Medical News - November 23, 2010.



Contato:
Fones: 55 (11) 2371-3337/(11)5572-4848/(11)5087-4404 
ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


24 de julho de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: DIABETES MELLITUS JÁ REPRESENTA 10 % DOS SERES HUMANOS, COM POSSIBILIDADES DE PROJEÇÃO DE ALCANÇAR MAIS QUE O DOBRO ATÉ O ANO DE 2025.

ESTA PESQUISA DOS CIENTISTAS PUBLICADA NO JORNAL THE LANCET,  ABRANGE 200 PAÍSES COM ENFASE EM PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO, E CONFORME OUTROS TRABALHOS JÁ PUBLICADOS, O MOTIVO É PORQUE A ALIMENTAÇÃO MAIS BARATA É ALTAMENTE ENGORDATIVA, COMO FARINÁCEOS E OUTROS HIDRATOS DE CARBONO, SENDO UM FATOR GATILHO PARA O DIABETES MELLITUS TIPO 2.

Se levarmos em consideração países pontuais como os USA, ainda sua colocação esta no ranking mundial em 1º lugar, devido a seu estilo de vida e hábitos alimentares. Entretanto já é sabido por exemplo que 48 % da população do Brasil esta indo para o mesmo caminho que os americanos do norte. Lamentavelmente 90 % dos diabéticos existente no planeta são do tipo 2, embora também agreguem fatores genéticos recessivos, ao acionar o gatilho do sobrepeso, da obesidade, obesidade intra visceral ou abdominal, acabam desencadeando o diabetes mellitus tipo2 que representam esses 90% desastrosos, juntamente com outras doenças em cascata, que levarão a um fim trágico. Os outros 10 % são representados pelo diabetes mellitus tipo 1, insulino dependentes desencadeados de forma dominante na fase infanto juvenil e adolescente. Países como a Índia, America central e Caribe, America do sul Espanica e o Brasil, Oriente Médio, perfazem a média dos 10 % estudados e publicados. A bem da verdade, já não existe nenhum pais no mundo, onde a previdência de saúde esteja navegando em mar de almirante. Se fizermos uma prospecção mundial, praticamente todas as revindicação das populações encontram-se envolvidas nas greves e revoluções de países soberanos, principalmente os com tendencias democráticas; dos os paises tem que complementar seus custos previdenciários com verbas extras governamentais, pior que isto, a ciência se multiplica exponencialmente em seus avanços científicos de custos, e segundo o estrategista militar do seculo Vl - A.c, o general e mestre CHINES SUN TZU, “NÃO EXISTE GUERRA SEM DINHEIRO”, por isso os parcos valores devem ser muito bem aplicados.
Não se trata de apologia ao aumento dos impostos, mas sim seriedade com o trato do bem comum, e só existe duas formas de ocorrer este fato: HONESTIDADE E PREVENÇÃO. No caso do diabetes mellitus ela não acarreta apenas doenças simples com facilidade de reversão; mas além dos problemas já descritos no âmbito social, as acompanha o sobrepeso, obesidade grau 1, grau2, grau 3, obesidade intra visceral, intra abdominal, central, “também a de revestimento”, alteração da pressão arterial sistêmica, dislipidemia (colesterol total, alteração e desproporção do bom colesterol – HDL, mal colesterol – LDL, alem disto, cientistas do Reino Unido descobriram uma forma modificada da lipoproteína de baixa densidade (LDL) - anteriormente encontrada mais comumente em diabéticos - é mais aterogênica (placas de ateroma) e gruda na parede arterial muito mais facilmente do que o “convencional” LDL. As descobertas podem ajudar a explicar por que as pessoas com diabetes correm um maior risco cardiovascular do que aquelas que os que não têm esta doença. Foi mostrado, que os danos causados à lipoproteína de baixa densidade (LDL) por glicação com uma molécula chamada metilglioxal (MG), um “tipo agressivo de açúcar que torna as lipoproteínas de baixa densidade (LDL) menores e mais rígidas”, é encontrada quatro vezes mais nos diabéticos em comparação com os não diabéticos, devido os níveis de glicose mais elevados nos diabéticos, É O Mgmin - LDL ( MAU COLESTEROL - AGRESSIVO) OU WORST - LDL - COLESTEROL OU SUPER MAU COLESTEROL).
Em todo o mundo, a incidência do diabetes mellitus em homens com mais de 25 anos aumentou de 8,3 % em 1980 para 9,8 % em 2008. Em mulheres com mais de 25 anos, o aumento foi de 7,5 % para 9.2 %. Nós médicos não sabemos mais como apelar para o bom senso dos seres humanos; não adianta religião, não adianta a crença ou falta da mesma, filosofia, alertarmos para sofrimentos vindouros por se tratar em sua maioria de moléstias silenciosas, será que a humanidade imitará os peixes e morrer pela boca com a memória tão curta como a maioria deles que não chega a 30 segundos, ou iremos fazer reflexões em relação a prevenção e gostarmos mais de nós mesmos.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologista – Neuroendocrinologista
CRM. 20611

Dra Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM. 28930

Como Saber Mais:
1. Diabetes mellitus tipo 2 é uma doença crõnica cura só no futuro...
http://diabetesmellitustipo2cia.blogspot.com/

2. Obesidade visceral ou intra abdominal pode levar ao diabetes mellitus tipo 2...
http://gorduravisceral.blogspot.com/


3. Pressão alta pode desaparecer se perdemos peso e diminuirmos a obesidade qualquer delas...
http://drcaiojr.site.med.br


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
Prof.Dr João Santos Caio Jr – Van Der Häägen – Brazil, Dra Henriqueta Verlangieri Caio – Van Der Häägen – Brazil, São Paulo – Brasil, Prof. dr.Frank Hu –epidemiologista da Faculdade de Saude Publica – Harvard Universy - USA, Prof. Dr. Magid Ezzati – Epidemiologista e Estatista Imperial London Medical school – UK - 2011.


Contato:
Fones: 55 (11) 2371-3337/(11)5572-4848/(11)5087-4404 ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

www.obesidadeinfoco.com.br
www.crescimentoinfoco.com

Joao Santos Caio Jr

Video

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz



25 de março de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: SÍNDROME METABÓLICA - RONCO ALTO, DIFICULDADE EM ADORMECER, E SONO NÃO REPARADOR

PODEM PREDIZER O DESENVOLVIMENTO DE SÍNDROME METABÓLICA COM TODAS SUAS CONSEQUÊNCIAS, COMO DISLIPIDEMIA, DIABETES MELLITUS 2, HIPERTENSÃO ARTERIAL, CULMINANDO COM PROBLEMAS CARDIOVASCULARES.

"Através deste primeiro estudo prospectivo sobre um maior número de sintomas das alterações do sono, incluindo insônia, dificuldade de adormecer, sintomas respiratórios, como ronco alto, apnéia do sono, preveem o desenvolvimento da síndrome metabólica, um fator de risco para doenças cardiovasculares ", disse o autor Wendy M. Troxel, PhD, professor assistente de psiquiatria e psicologia na Universidade de Pittsburgh, em Pittsburgh, Pensilvânia, em um comunicado à imprensa"Foi um pouco surpreendente que os efeitos da dificuldade em adormecer e ronco alto foram amplamente independentes um do outro. " A avaliação foi efetuada em indivíduos que não apresentavam síndrome metabólica ou diabetes mellitus tipo 2, que não apresentavam fatores de risco cardiovascular e foram questionados a respeito da qualidade do sono, incluindo insônia, também foram questionados sobre outros sintomas relativos ao sono e apnéia do sono
Um subgrupo avaliado foi de indivíduos que apresentavam apnéia-hipopnéia do sono usando um monitor portátil. O risco para o desenvolvimento da síndrome metabólica e seus componentes foi calculado para síndrome de insônia
Durante o acompanhamento efetuado por três anos, a síndrome metabólica foi diagnosticada em 14% dos participantes. Entre os fatores preditores de desenvolvimento da síndrome metabólica foram constatados, a dificuldade em adormecer, e sono não reparador, mas não um quadro de “síndrome da insônia”, dificuldade de sono contínuo, ou despertar freqüente durante o sono. Ronco alto foi associado a mais de duas vezes como risco para o desenvolvimento da síndrome metabólica e também com as anomalias metabólicas específicas de hiperglicemia, e baixo HDL-colesterolRonco alto permaneceu um preditor significativo para síndrome metabólica ou para o número de basal de anormalidades metabólicas. No entanto, o valor preditivo e sono não reparador foram pouco significativos. Avaliar as alterações dos sintomas do sono pode ajudar a identificar indivíduos com risco de desenvolver síndrome metabólica.

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologia 
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.Um maior número de sintomas das alterações do sono, incluindo insônia, dificuldade de adormecer, sintomas respiratórios, como ronco alto, apnéia do sono, preveem o desenvolvimento da síndrome metabólica?

http://metabolicasindrome.blogspot.com

2.Ronco alto foi associado a mais de duas vezes como risco para o desenvolvimento da síndrome metabólica? http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

3.Ronco alto permaneceu um preditor significativo para síndrome metabólica ou para o número de basal de anormalidades metabólicas? http://metabolicasindrome.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Hien Nghiem T., MD; Professor Assistente Clínico, Diretor Adjunto do Programa de Residência, Universidade da Califórnia, Irvine Orange, Departamento de Medicina Familiar.


Contato:
Fones: 55 (11) 2371-3337/(11)5572-4848/(11)5087-4404 ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Seguir no Google Buzz

26 de dezembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: SINDROME METABÓLICA, UMA DOENÇA MULTIDISCIPLINAR COM ÊNFASE NA ENDOCRINOLOGIA,

ONDE OS FATORES GATILHOS MAIS EVIDENTES, DIABETES MELLITUS TIPO 2, OBESIDADE INTRA VISCERAL, ABDOMINAL, CENTRAL, GORDURA ENTRE VÍSCERAS, ENTRE PULMÕES, CORAÇÃO, HIPERTENSÃO, DISLIPIDEMIA, COLESTEROL TOTAL, MAL COLESTEROL LDL, BOM COLESTEROL HDL, TRIGLICÉRIDES, METABOLOGIA E MUITO MAIS DENTRO DA ENDOCRINOLOGIA E NEUROENDOCRINOLOGIA, É CLARO COM OUTROS COMPROMETIMENTOS NÃO ENDÓCRINOS.

A síndrome metabólica, a cada dia que passa é acrescentado mais sinais e sintomas característico de uma síndrome. Entretanto esta síndrome vem cada vez mais incluindo outras áreas do conhecimento humano que extrapola em algumas opiniões uma única especialidade que no caso de hoje seria a Endocrinologia. Entretanto as áreas mais criticas e que geralmente são fatores desencadeantes esta dentro da especialidade da abdominal, nutrologia que esta ligado muito proximamente a endocrinologia ou a nutrição.

A metabologia é uma área eminentemente endócrina e também esta par e passo a síndrome metabólica. Não existe duvida de que a síndrome metabólica acaba comprometendo a pneumologia devido ao bloqueio visceral, a hipertensão que é moléstia vascular também fica comprometida, e inquestionavelmente ira desaguar seu comprometimento na área Cardiológica; também não devemos nos esquecer da dislipidemia com o comprometimento através do colesterol total, mal colesterol LDL, Bom colesterol HDL, triglicérides e até a genética, que estão direta ou indiretamente ligadas a Endocrinologia.

Infelizmente são áreas muito complexas onde nós médicos devemos ter uma visão mais holística da realidade, e não chegaremos a consenso enviando nossos pacientes para diversos especialistas que com experiência ou não poderão ter opiniões divergentes ou experiências diferentes. Portanto, devemos levarmos em consideração, que a síndrome metabólica afeta aproximadamente 50 milhões de americanos, 35 milhões de brasileiros, é uma epidemia mundial que tende a se agravar, pelas estatísticas mundiais, cerca de 7 % do adultos por volta de seus 20 anos e 40 % dos adultos em torno dos 40 anos se enquadram nesta síndrome; como já disse A síndrome metabólica é um conjunto de condições que ocorrem em conjunto e aumentam o risco para o AVC a doença cardíaca e diabetes.
Tendo apenas uma destas condições - aumento da pressão arterial, níveis elevados de insulina, excesso de gordura corporal em torno da cintura ou dos níveis de colesterol anormais - contribui para o risco de doenças graves e em combinação, o risco é ainda maior.
Não há definição oficial da síndrome metabólica. Se estes fatores de risco, na verdade pode ser referido como uma síndrome ou não, eles representam uma condição médica crescente envolvendo múltiplas especialidades médicas. Esta coleção livre fornece insights valiosos sobre esta epidemia emergente de saúde médica e pública. Entretanto como mais de 60 % desta doença cíclica e extremamente grave e complexa de tratamento esta dentro da endocrinologia, ira acabar na mão do metabologista com visão holística e por final com seu agravamento em não sendo equacionada, com o cardiologista.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia –Neuroendocrinologista
CRM 20611


Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1.Quais as consequências de uma diabetes mellitus tipo2 não tratada?
http://controladodiabetes.blogspot.com/


2.Síndrome metabólica e suas consequências um mal que se trata de um problema de saúde pública porque trata-la a tempo?
http://controladodiabetes.blogspot.com/


3. Diabetes mellitus tipo2 e hipertensão arterial um grave problema de saúde, porque sua associação leva o agravamento destas doenças?
http://diabetesmellitustipo2cia.blogspot.com/


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referências Bibliográficas:
Nature Magazine Rew. Janeiro de 2011, Endocrinology and Metabology Rew Medscapdiabetes et endocrinology Gregory A. Nichols, PhD PUBLISH: 04/29/2010


Contato:
Fones: 55 (11) 2371-3337/(11)5572-4848/(11)5087-4404 ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br
www.obesidadeinfoco.com.br
www.crescimentoinfoco.com

João Santos Caio Jr


Video



Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17
Seguir no Google Buzz


16 de dezembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A IMPORTÂNCIA DE SE MANTER OS NÍVEIS DE HEMOGLOBINA GLICADA (HbA1c) O MAIS PRÓXIMO DO NORMAL POSSÍVEL , MESMO ANTES DO DIABETES ESTABELECIDO,

NO PROGNÓSTICO DO RISCO DE DESENVOLVIMENTO DO DIABETES MELLITUS E DOENÇA CARDIOVASCULAR, BEM COMO PESSOAS QUE POSSUAM ANTECEDENTES FAMILIARES DE DIABETES MELLITUS, PARA QUE SEJA FEITO O DIAGNÓSTICO CORRETO NÃO BASTA APENAS EFETUAR A GLICEMIA DE JEJUM TAMBÉM, É NECESSÁRIO EFETUAR GLICEMIA PÓS-PRANDIAL(ALIMENTAÇÃO),CONFORME PROTOCOLO DA O.M.S.(ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE).

Ficou bem claro com pesquisas e estudos recentes, que os níveis de hemoglobina glicada (HbA1c) e de glicemia de jejum são similares para o diagnóstico de diabetes, entretanto o diagnóstico é corretamente segura em caso de ser feito uma avaliação com glicemia pós prandial,pois de 30 a 40 % dos pacientes com glicemia normal, apresentam valores positivos após este tipo de avaliação.
Caso contrario, o diagnóstico não estará completo. No entanto, mais importante do que diagnosticar diabetes, foi que os níveis da hemoglobina glicada (HbA1c) fazem a previsão de doença cardiovascular ou morte, entretanto, os níveis de glicemia de jejum não apontam para fatores de risco significativo. A utilidade adicional da medida dos níveis de hemoglobina glicada (HbA1c) pode justificar o custo maior que significa este exame, em comparação com a medida dos níveis de glicemia de jejum, que é um exame barato.
É importante se fazer um controle glicêmico rigoroso para se diminuir o risco do desenvolvimento de doença cardiovascular. Ficou demonstrado que altos níveis de hemoglobina glicada (HbA1c), mesmo quando controlados, podem aumentar o risco do desenvolvimento de doença cardiovascular. Longe de se chegar a uma conclusão, o resultado desta observação, sugere que se mantendo os níveis de hemoglobina glicada (HbA1c) o mais próximo do normal possível, mesmo antes do diabetes estabelecido, pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de doença cardiovascular.

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930


Como saber mais:
1.É importante o controle da hemoglobina glicada mesmo antes do desenvolvimento do Diabetes Mellitus ? 
http://controladodiabetes.blogspot.com/

2.O risco do desenvolvimento de doença cardiovascular pode ocorrer se não houver controle dos níveis de hemoglobina glicada ? 

http://metabolicasindrome.blogspot.com/

3.Criança com estatura menor que para sua idade cronológica deve fazer avaliação para ver há necessidade de reposição de HGH ? 

http://crescimentojuvenil.blogspot.com/


PERMITIDO UTILIZAÇÃO PELOS AUTORES PROSPECTIVOS DO TRABALHO ACIMA, DESDE QUE CITADO OS CRÉDITOS DOS AUTORES PROSPECTIvOS E BIBLIOGRAFIAS DE REFERÊNCIA.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Medscap diabetes et endocrinology
Gregory A. Nichols, PhD PUBLISH: 04/29/2010.



Contato:
Fones: 55 (11) 2371-3337/(11)5572-4848/(11)5087-4404 ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Seguir no Google Buzz

5 de dezembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: LONGEVIDADE FUTURA COM QUALIDADE DE VIDA – O RESVERATROL ENCONTRADO EM CASCA DE UVA TIPO TANNAT PODE COMO ANTI-OXIDANTE,

EVITAR PROCESSOS INFLAMATÓRIOS NOS TECIDOS, COMO VASOS, GORDURA VISCERAL, GORDURA INTRA ABDOMINAL OU CENTRAL, AO LONGO DO TEMPO, QUE TRARÁ UM IMENSO BENEFÍCIO  COM O PASSAR DO TEMPO.

resveratrol, extraído da casca de uvas tipo Tannat cultivada no Uruguay, é um antioxidante que suprime a inflamação e pode retardar o estrago promovido por esta ação patológica (doença) em nosso organismo.
Dentre os alimentos comuns que contém o resveratrol temos as uvas, o vinho, amendoins, blueberries (fruta azul escuro) e Cranberries (fruta vermelha). O resveratrol foi demonstrado que retarda o envelhecimento, prolonga a vida e reduz os comprometimentos causados pelo processo de degeneração metabólicas com o passar do tempo, isto porque, aparentemente o resveratrol age sobre o gene associado à longevidade.
No momento, deduz-se que o resveratrol reduz o processo inflamatório que pode levar a doenças cardíacas, derrames (acidente vascular cerebral) e ao diabetes mellitus tipo 2Foram avaliadas 20 pessoas divididas em 2 grupos randomizados( aleatório), sendo que um grupo recebeu placebo (substância sem ação orgânica) e o outro recebeu um suplemento contendo de resveratrol. Os voluntários tomaram o suplemento 1 vez ao dia por 6 semanas.
Foi colhida uma amostra de sangue em jejum no início da avaliação, uma na 1ª semana, outra na 3ª semana e a última na 6ª semana do início da avaliação.
Os resultados mostraram que o resveratrol suprimiu a formação de “radicais livres”- moléculas instáveis conhecidas por causar stress oxidativo e liberar substâncias pró-inflamatórias no sangue, resultando em dano do revestimento interno dos vasos (endotélio) sanguíneos. O sangue em jejum colhido das pessoas que usaram placebo, não mostrou mudanças significativas dos marcadores pró-inflamatóriosEstes achados são consistentes com uma ação antiinflamatória do resveratrol.
Pessoas que usam o resveratrol também têm mostrado a supressão da proteína inflamatória fator de necrose tumoral e outros componentes que aumentam a inflamação dos vasos sanguíneos e interferem na ação da insulina, causando resistência à insulina e o risco de desenvolver diabetes mellitus tipo 2, por este motivo e sugerido por tais pesquisas que se utilize em pacientes com síndrome metabólica, cuja as principais características estão ligadas a obesidade intra visceral, abdominal, central, diabetes tipo 2 ,dislipidemias 9 colesterol total, mal colesterol LDL, diminuição do bom colesterol HDL, hipertensão arterial, e problemas cardio vasculares e respiratórios. È claro que a ação não ocorre a curto prazo,mas é uma arma do arcenal terapêutico que pode ser útil a longo prazo.





Dr. João Santos Caio Junior
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM: 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM: 28930



COMO SABER MAIS: 
1. O resveratrol pode ser visto como uma substância antioxidante e antinflamatória?                                                 http://obesidadecontrolada3.blogspot.com


2. Como o resveratrol tem propriedades antiinflamatórias ele pode ser usado na Síndrome Metabólica?
http://metabolicasindrome.blogspot.com


3. A obesidade intravisceral afeta o fígado?
http://gorduravisceral.blogspot.com

Referências Bibliográficas:
News release, University of Buffalo; Ghanim, H. Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 2010.

Contato:
Fones: 55 (11) 2371-3337/(11)5572-4848/(11)5087-4404 ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Seguir no Google Buzz

4 de dezembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A SÍNDROME METABÓLICA

(SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE VISCERAL, INTRA-VISCERAL, ABDOMINAL, INTRA-ABDOMINAL, HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS TIPO 2, AUMENTO DO MAL-COLESTEROL, DIMINUIÇÃO DO BOM-COLESTEROL, AUMENTO DOS TRIGLICÉRIDES, DIABETES) ESTÁ RELACIONADA COM O AUMENTO DA PRESSÃO INTRA-OCULAR (GLAUCOMA) QUE PODE INTERFERIR NA QUALIDADE DE VIDA PARA QUEM TEM LONGEVIDADE.

Foi realizado um estudo com 14.003 homens e mulheres de 18 a 83 anos, indivíduos aparentemente saudáveis, em que a pressão intra-ocular (PIO) era em média de 14,8 mm Hg o que é considerado normal. A pressão intra-ocular (PIO) foi examinada pelo tonômetro de sopro aparelho que mede a pressão dos olhos (intra - ocular). A pressão alta intra-ocular (PIO) foi definida como (PIO) maior que 21 mm Hg, quando não tem anormalidades intra-oculares, ou história anterior de tratamento para glaucoma, que é o nome técnico da pressão intra ocular (PIO) aumentada. 
Como critério, foi usada a definição de síndrome metabólica (obesidade visceral, gordura intra-abdominal, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus tipo 2, aumento do mal-colesterol, diminuição do bom-colesterol, aumento dos triglicérides), não citando problemas cardiovasculares. Nos indivíduos de ambos os sexos, a frequência de pressão intra-ocular (PIO) elevada, tinha relação direta com o aumento do número de componentes da síndrome metabólica (obesidade visceral, gordura intra-abdominal, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus tipo 2, aumento do mal-colesterol, diminuição do bom-colesterol, aumento dos triglicérides). Três dos componentes da síndrome metabólica (obesidade visceral, gordura intra-abdominal, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus tipo 2, aumento do mau-colesterol, diminuição do bom-colesterol, aumento dos triglicérides) foram relacionados com o aumento da pressão intra-ocular (PIO) .

A síndrome metabólica é um fator de risco para o aumento da pressão intra-ocular, portanto para se ter longevidade com qualidade de vida, que é de relevância, devemos evitar a Síndrome Metabólica de todas as maneiras, porque o aumento da pressão intra-ocular (glaucoma) pode ser uma das conseqüências da Síndrome Metabólica e comprometerá a qualidade de vida futura.





AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia - Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista - Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Síndrome Metabólica pode interferir na pressão intra-ocular...
http://metabolicasindrome.blogspot.com/

2. Hoje, como a média de anos de vida aumentou, é importante evitar ou tratar a Síndrome metabólica...
http://metabolicasindrome.blogspot.com/

3.Os comprometimentos da obesidade visceral são importantes...
http://gorduravisceral.blogspot.com/


Referências Bibliográficas:
K Imai, Hamaguchi M, Mori K, Takeda N, Fukui M, Kato T, Kawahito Y, S Kinoshita Kojima e T
1. Departamento de Oftalmologia da Faculdade de Ciências Médicas, Universidade de Kyoto Provincial de Medicina de Kyoto, no Japão
2. Departamento de Inflamação e Imunologia, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade de Kyoto Provincial de Medicina de Kyoto, no Japão
3. Departamento de Endocrinologia e Metabologia, Hospital Memorial Murakami, Universidade Asahi, Gifu, Japão.


Contato:
Fones: 55 (11) 5087-4404 ou 96197-0305
Nextel: 55(11)7717-1257 
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br
www.obesidadeinfoco.com.br
www.crescimentoinfoco.com

João Santos Caio Jr


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz